31ª Mostra: dicas de filmes para os próximos dias

A Questão Humana

As sessões da 31ª Mostra Internacional de Cinema entre os dias de sexta à domingo, do dia 26 ao dia 28 de outubro, prometem ser ainda mais interessantes os da primeira primeira semana do evento. É verdade que muitos bons filmes exibidos durante a primeira semana do evento não terão mais sessões. Mas muita coisa boa ainda está por vir a partir de hoje, e alguns dos bons filmes da primeira semana ainda têm uma última sessão.

Para aproveitar os próximos dias a Mostra, prevenindo-se de futuros problemas, como ficar sem ingresso, programe-se comprando antes os ingressos. E aproveite as minhas sugestões de filmes abaixo. Mas antes um aviso aos desesperados: na dúvida entre um filme de um diretor que você gosta muito que já tem legenda em português, e um filme desconhecido, fique com o segundo, pois o primeiro já tem distribuição garantida no Brasil.

4 meses, 3 semanas e 2 dias: o filme de Cristian Mungiu “pertence a um grande projeto chamado “Histórias da Era de Ouro – uma história subjetiva do comunismo na Romênia”, contada por meio de suas lendas urbanas. O objetivo principal do projeto é falar sobre esse período sem referência direta ao comunismo“. O filme ganhou quatro prêmio, incluindo a Palma de Ouro do Festival de Cannes desse ano. A última chance de vê-lo durante a Mostra acontece no domingo, dia 28, à tarde.

A Idade da Terra: último filme de Glauber Rocha. Não é mais genial, mas merece ser visto no cinema. Terá sua segunda e última exibição hoje.

A questão humana (Question humaine) o filme de Nicolas Klotz acabou fazendo tanto sucesso entre o público da Mostra que acabou ganhando mais duas sessões extra, uma sábado e outra domingo, ambas no Arteplex.

A Via Láctea: é o segundo longa da diretora paulistana Lina Chamie. Ele fala sobre “as possibilidades de amor, perda e morte num grande centro urbano”. Sua última sessão na Mostra será domingo, dia 28.

Across the Universe

Across the Universe (Across the Universe): drama romântico musical dirigido por Julie Taymor, de “Frida”. O filme psicodélico é todo construído através de canções dos Beatles para retratar as mudanças culturais acontecidas na década de 60 nos Estados Unidos. Parte do belo resultado é fruto do trablho do diretor de fotografia Bruno Delbonnel, mais conhecido por aqui por seu trabalho em “O fabuloso destino de Amélie Poulain”. Até Bono Vox aparece no filme como ator e canta duas das versões das músicas do quarteto de Liverpool. Será exibido em três sessões, sendo a primeira no sábado no IG Cine. Aviso: é preciso entrar no clima para apreciar o filme.

Através de floresta (À travers la forêt) e Os solitários (Les Solitaires): os dois filmes fazem parte da retrospectiva Jean-Paul Civeyrac. Os dois filmes terão três sessões, o primeiro a partir de hoje, e “Os Solitários” a partir de sábado, dia 27.

A Vida dos outros (Das Leben der Anderen): dirigido e escrito por Florian Henckel von Donnersmarck, o “filme conquistou o Oscar 2007 de filme estrangeiro”. A história se passa em 1984, “o governo de Berlim Oriental busca assegurar seu poder através de um cruel sistema de controle e vigilância sobre os cidadãos, na forma da Stasi, como é conhecida a polícia secreta“. Última sessão domingo às 19:40.

Armênia (Le Voyage en Arménie): o diretor francês Robert Guédiguian resgata suas raízes no filme. Mais uma vez sua mulher Ariane Ascaride está no papel principal, além de ter ajudado no roteiro. “Armênia” apresenta uma nação destruída depois de anos de comunismo tentando se reerguer, através de uma médica que vai atrás de seu pai na Armênia. Última chance de assistir no domingo, às 15 horas.

Atrizes (Actrices): dirigido, escrito e estrelado por Valeria Bruni Tedeschi, que também ganhou o prêmio especial do júri “Un Certain Regard” no festival de Cannes. O filme terá uma sessão dia 26 e outra dia 28.

Ali Zaoua (Ali Zaoua, prince de la rue): filme de 2000, dirigido por Nabil Ayouch, faz parte da perspectiva FESPACO e ganhou vinte prêmios em diversos festivais. Aproveitar a última exibição no Arteplex, sexta-feira.

Caos (Heya fawda): dirigido por Youssef Chahine e Khaled Youssef. Fiel ao estilo melodramático que marca seus 60 anos de cinema, o veterano diretor egípcio Youssef Chahine, aqui em parceria com o habitual colaborador Khaled Youssef, faz um painel político e social de seu país com ingredientes de sátira, trilha sonora sentimental e sincero olhar sobre seu povo. Última sessão hoje à tarde, na FAAP.

Contos de Terramar (Gedo senki): animação japonesa dos estúdios Ghibli, dirigida pelo filho de Hayao Miyazaki, Goro Miyazaki. O filme entra em cartaz provavelmente no começo do ano que vem, e será exibido na Mostra dias 26 e 28.

Conversas com meu jardineiro

Conversas com meu jardineiro (Dialogue avec mon jardinier): o filme de Jean Becker com estrutura simples foi uma das agradáveis surpresas dessa Mostra. Com um roteiro muito bem elaborado, sustentado pelas ótimas atuações de Daniel Auteuil e Jean-Pierre Daroussin, o filme explora o universo de descobertas entre um pintor e um jardineiro que eram amigos na infância. Última sessão na Mostra no sábado.

De cabeça para baixo (Upside Down): interessante filme macedônio e croata, dirigido por Igor Ivanov. Terá quatro exibições a partir de sexta, sendo uma exibição extra segunda, às 22h10 no Espaço Unibanco.

Deserto Feliz: co-produção brasileira e alemão, dirigida por Paulo Caldas, ganhadora do prêmio de Melhor Direção no Festival Internacional de Cinema de Guadalajara e seis outros prêmios no festival de Gramado. Próximas sessões hoje, dia 26, e segunda.

El Otro (El Otro): o filme de Ariel Rotter recebeu boas críticas e ganhou o Urso de Prata no último festival de Berlim, no grande prêmio do júri e para melhor ator Julio Chávez. Terá mais duas sessões, uma sábado e outra segunda.

Em Paris (Dans Paris) de Christophe Honoré, e Meu Melhor Amigo (Mon meilleur ami) de Patrice Leconte. Já dei meus motivos para vê-los numa entrada anterior. Em Paris ainda terá duas sessões, uma no sábado, e o filme com Daniel Auteuil terá uma última sessão no sábado também. Ambos têm previsão de estréia para os primeiros meses do ano que vem.

Estação Seca

Estação Seca (Daratt): dirigido por Mahamat-Saleh Haroun, o filme terá mais três sessões, incluindo uma sexta e outra domingo O filme recebeu o prêmio especial do júri no festival de Veneza 2006, o de diretor no festival de Gijón 2006 (Espanha) e o da imprensa estrangeira no festival de Adelaide 2007 (Austrália).

Estamos Juntos (We Are Together (Thina Simunye)): filme de estréia de Paul Taylor, com boas críticas e quatorze prêmios recebidos. O filme é um documentário realizado durante três anos e que uniu dois continentes, a produção conta a admirável história de um grupo de crianças que usa a música para compensar suas duras vidas e perdas até irem para Londres, junto aos seus professores, realizar uma série de concertos. Última sessão sábado, às 21:10 no Cinesesc.

Go Go Tales (Go Go Tales): filme do diretor Abel Ferrara na linha dos clássicas comédias sofisticadas de Frank Capra, Billy Wilder e Preston Sturges. Estrelado por Willem Dafoe, Bob Hoskins, Matthew Modine e Asia Argento. O filme terá 3 sessões, sendo duas no fim de semana.

I’m not there (I’m Not There): um filme biográfico sobre Bob Dylan, composto genialmente através de sete diferentes personagens, e seis atores, fazendo diferentes facetas e períodos na vida e carreira do músico americano. Interpretam Dylan no filme: Christian Bale, Cate Blanchett, Marcus Carl Franklin, Richard Gere, Heath Ledger e Ben Whishaw. O filme Todd Haynes parece confuso por vezes, para quem não faz a menor idéia sobre a história de Bob Dylan, e passa a milhas de distância de qualquer biografia que você tenha assistido. Sua última sessão será no domingo à tarde.

Irina Palm (Irina Palm): o drama dirigido por Sam Garbarski tem arrancado elogios por onde passa. Principalmente pela tocante atuação de Marianne Faithfull, no papel de uma avó que vai trabalhar “num lugar chamado Mundo Sexy” para ajudar seu neto que sofre de uma doença rara e precisa de um transplante. A última sessão do filme será no domingo à noite, no Cine Bombril.

Irina Palm

Jogo de Cena prova que Eduardo Coutinho está cada vez melhor. Se não o melhor, um dos melhores filmes brasileiros (e filmes em geral) exibidos na Mostra. Terá mais duas sessões, a primeira na sexta, na sala IG.

Mutum: o belo filme de Sandra Kogut baseado no capítulo “Miguilim” do livro Campo Geral, de João Guimarães Rosa, terá mais uma apresentação no Cine Bombril domingo, e hoje, às 10 da manhã no Festival da Juventude, também no Bombril.

O Amor nos tempos do cólera (Love in the Time of Cholera): mais um filme de época de Mike Newell de encher os olhos. Com Javier Bardem que está em mais três filmes da Mostra (Os fracos não têm vez, Sombras de Goya e Invisíveis). Será exibido hoje e terça, dia 30.

O ano em que meus pais saíram de férias: o filme escolhido para representar o Brasil em uma vaga para o Oscar de melhor filme estrangeiro terá uma única apresentação, aberta para o público no vão livre do MASP, hoje, às 19:30.

O banheiro do papa (El Baño del Papa): filme brasileiro, uruguaio e francês, dirigido por Enrique Fernández e César Charlone. O filme conquistou o prêmio Horizontes no festival de San Sebastián de 2007 e alguns Kikitos. Será apresentado sexta e sábado, e no domingo no Festival da Juventude, às 10 da manhã.

O engenho de Zé Lins: um filme de Vladimir Carvalho que traça o perfil do escritor paraibano José Lins do Rego, enfocando desde os tempos de sua infância. Última sessão na Mostra sábado, às 14 horas.

O homem de Londres (The Man from London): o filme é sobre desejo, a indestrutível procura do homem por uma vida de liberdade e felicidade, sobre ilusões que não devem se concretizar – sobre as coisas que dão a todos a energia para se continuar a viver, dormir e acordar todos os dias. A última chance de conferir a última produção do diretor húngaro Béla Tarr acontece no sábado no Memorial.

O Sinal (La Señal) mais um filme argentino estrelado por Ricardo Darín, que também dirigiu, juntamente com Martin Hodara. Em estilo noir, o filme se passa durante os últimos dias de Eva Perón, enquanto uma dupla de detetives pega um caso sobre corrupção para investigar, envolvendo a máfia. O filme estréia em breve nas salas por aqui, mas pode ser visto ainda no domingo e na segunda durante a Mostra.

Paranoid Park (Paranoid Park): filme de Gus Van Sant dispensa apresentações. O filme ganhou o prêmio do 60º aniversário do festival de Cannes. Terá 3 apresentações a partir de hoje, dia 26.

Pickpocket (Xiao Wu): o filme faz parte da retrospectiva Zhang Ke Jia. De volta à cidade em que nasceu, Xiao Wu é um batedor de carteira em crise. O segundo filme do jovem diretor chinês que mais prêmios recebeu. O filme será exibido em três sessões a partir de domingo, dia 28.

Planeta Terror de Robert Rodriguez, e À Prova de Morte (Death Proof) de Quentin Tarantino, fazem parte do projeto Grindhouse que homenageia filmes de terror e ficção científica. O filme de Rodriguez mais duas exibições durante a Mostra, uma delas antes do filme de Tarantino que terá sua última exibição hoje. Mas não se desespere, os filmes, já com legendas em português, estrearão nas telas brasileiras em breve.

Senhores do Crime

Senhores do Crime (Eastern Promises): não há como esperar pouco de um filme de David Cronenberg. Esse é o meu argumento para ir assistir já na Mostra o último filme do diretor canadense sobre a máfia russa. Haverá três sessões, a primeira no sábado. Corra para comprar seu ingresso se ainda não tem, porque essas costumam lotar.

Tabu (Tabu: A Story of the South Seas): último filme dirigido pelo mestre alemão F.W. Murnau, e co-dirigido pelo pai do documentário, Robert J. Flaherty. Não chega a ser o melhor filme de nenhum dos dois diretores, mas é um belo filme e que deve ser visto. O filme será apresentado em duas sessões especiais no Cinesesc com acompanhamento musical do pianista Paulo Braga, no sábado e domingo.

Um homem, uma mulher (Un homme et une femme): o filme mais conhecido de Claude Lelouch no Brasil terá apenas uma sessão, no dia 27, sábado, às 13 horas na Cinemateca.

Viagem a Darjeeling (The Darjeeling Limited): o último filme de Wes Anderson apresenta mais uma vez a marca registrada do diretor, através de personagens bizarros e neuróticos, situações improváveis, a família (estranha) como foco central e um humor obtido através do estranhamento. Mantendo a linha dos anteriores Wes trabalha com quase os mesmos atores dos outros filmes: Owen Wilson, Adrien Brody, Jason Schwartzman, Anjelica Huston e Bill Murray. Darjeeling estréia nos cinemas em novembro, mas ainda pode ser visto domingo, às 21:30 no Cinemark Eldorado.

Vocês, os vivos (Du levande): dirigido por Roy Andersson, é um filme sobre o ser humano, sobre suas conquistas e misérias, sua alegria e seu sofrimento, sua autoconfiança e ansiedade. Todos os comentários que ouvi sobre o filme eram generosos. Terá uma última exibição hoje, no Cinesesc.

Zona de Crime (La Zona): dirigido por Rodrigo Plá, o filme ganhou o prêmio internacional da crítica no Festival de Toronto e o prêmio Luigi De Laurentiis no festival de Veneza. Será exibido em três sessões, sendo a primeira hoje, dia 26.

Entradas relacionadas:

About Bibi