Macunaíma, de Joaquim Pedro de Andrade

A primeira dica do dia não é de filme, e é na verdade um lembrete: confira a programação antes de ir para a sala de cinema. Ontem fui ao CineSESC e tive uma nada agradável surpresa ao entrar na segunda sessão: tinham mudado o filme. Não só o meu ingresso estava com o nome antigo, do filme para o qual retirei o ingresso, como não me avisaram quando entrei na sala. Eu só vi depois de sentar e conferir a papel para votação. Ao invés de Sofrido, de Helene Cattet e Bruno Forzani, exibiram Continuação, de Rodrigo Pinto.

Pelo que me informaram, depois que fui reclamar, a Mostra avisou sobre da mudança na noite anterior. Pior que eu já estava na sala para ver 3 filmes seguidos, e não daria tempo de pegar uma sessão em outra sala, e voltar a tempo para a sessão seguinte. No fim, o filme sobre Lenine não foi ruim, mas eu não estava no espírito de documentário, não conheço nada do Lenine, e não queria ver mais um filme nacional na Mostra, uma vez que  filmes nacionais  têm estréias cedo ou tarde. De qualquer forma fica o aviso: confiram no site a programação,ou ao menos passem na Central da Mostra antes de ir para as sessões.

Desde segunda-feira os estudantes podem conferir a programação da 33ª Mostra Internacional de Cinema mais cedo do que os demais frequentadores, nas sessões do Festival da Juventude, às 10h. Essas sessões matinais acontecem no Cine Olido, MIS e Cine Bombril. Se você é um desses sortudos aproveite e assista a animação sueca Metropia (Metropia), de Tarik Saleh ou um grande clássico do cinema nacional, Macunaíma (Macunaíma), de Joaquim Pedro de Andrade com cópia restaurada.

Ao meio-dia dessa quarta-feira, o jornalista e crítico de cinema do jornal O Estado de S. Paulo Luiz Carlos Merten participará da segunda edição do evento Os Filmes da Minha Vida. A apresentação, com entrada gratuita, se realizará no Cine Bombril sala 1, localizado no Conjunto Nacional (av. Paulista, 2073). A entrada é livre e aberta ao público.

Brilho de uma paixão

Estréia hoje na Mostra Brilho de Uma Paixão, que conta a história de um caso de amor secreto “entre o poeta inglês John Keats, de 23 anos, e sua vizinha Fanny Brawne“. O filme terá mais 3 sessões durante o festival, todas em shopping centers longe da Paulista. Como é um filme de Jane Campion, foi indicado à Palma de Ouro e está sendo bem comentado, eu realmente espero que o filme estréie por aqui ano que vem.

Para quem gosta de Manuel de Oliveira, hoje acontece também a primeira sessão de Singularidades De Uma Rapariga Loura na Mostra. Eu não digo mais nada do centenário diretor português. Juro que tentei ver, e vi, vários, mas ele me cansa. Não consigo ver durante a Mostra.

A minha aposta para sala amanhã é o Reserva Cultural, que exibirá o novo filme do sueco Lukas Moodysson Corações Em Conflito (Mammoth), o também sueco Patrick, Idade 1,5 (Patrick 1,5), de Ella Lemhagen, e a co-produção da França e Palestina O Que Resta do Tempo (The Time That Remains), de Elia Suleiman.

O Passo Suspenso da Cegonha

Hoje há mais uma maratona Theo Angelopoulos, dessa vez gratuita na FAAP. A maratona começará às 11h e seguirá até às 21h, mas com intervalos. Serão exibidos pela última vez na Mostra: O Apicultor (O Melissokomos) e Trilogia II: A Poeira do Tempo (I Skoni Tou Hronou). O filme O Passo Suspenso Da Cegonha (To Meteoro Vima Tou Pelargou) terá a primeira das duas sessões programadas para esse edição do festival. Há dois problemas na FAAP: os alunos têm preferência, por uma questão óbvia, e é preciso chegar antes para retirar os ingressos.

Lembrando que se você perdeu alguma sessão, ou não puder ir, há a opção ver um ou outro através da Mostra Online. Hoje mais 3 filmes serão adicionados no site The Auteurs, depois de sua primeira exibição na Mostra, e estarão disponíveis online para os 300 primeiros acessos. Mais uma boa notícia: vários dos outros filmes que participam da Mostra Online ainda podem ser disponíveis para ver no site, para quem ainda não viu.

Outras sugestões de filmes para hoje, 28 de outubro:

Adam (Adam), de Max Meyer

Czar (Tsar), de Pavel Lounguine

Eu Matei Minha Mãe (J’ai Tué Ma Mère), de Xavier Dolan

Irene (Irene), de Alain Cavalier

London River (London River), de Rachid Bouchareb

Mother (Madeo), de Bong Joon-Ho

Sherazade, Conte Uma História (Ehky Ya Schahrazad), de Yousry Nasrallah

Vencer (Vincere), de Marco Bellocchio

Videocracy (Videocracy), de Erik Gandini