I Jornada Brasileira de Cinema Silencioso

I Jornada Brasileira de Cinema Silencioso

Não é todo dia que notícias tão maravilhosas quanto essa aparecem para os apreciadores do cinema mudo: I Jornada Brasileira de Cinema Silencioso. Os paulistas, principalmente os paulistanos, poderão conferir a partir de hoje 41 filmes em diversas sessões, 30 atrações musicais, oficinas, conferências e exposições. O evento que começa hoje na Cinemateca Brasileira ( mapa).

Todos os dias, de 11 a 19 de agosto, a partir das 17 horas, acontecerão pelo menos três sessões de filmes mudos com acompanhamento musical e legendas. Mas, infelizmente, nem todas as sessões terão música ao vivo. Quem já presenciou um desses eventos, seja na Mostra de cinema de São Paulo, seja no MIS sabe como um evento desses é fantástico. Ver um filme desses no cinema já uma experiência única, agora ter o prazer de ter música ao vivo, como era antigamente, não tem preço.

Die Puppe

Para facilitar a minha vida, e de todos aqueles que estiverem interessados em assistir todas as sessões com as atrações musicais, coloquei tudo no Google Agenda. Há os horários das sessões, sala e um breve resumo do filme. Além das sessões de filmes incluí também uma das oficinas, “A música e o cinema silencioso” com a pianista Eunice Martins, as mesas e as conferências. O evento é uma prato cheio para admiradores e pesquisadores da área.

Um dos objetivos da Jornada é apresentar o cinema dos primórdios do século 20 como resultado direto das experimentações técnicas e estéticas que marcam a modernidade urbana. Uma gama considerável de gêneros narrativos e estilos de interpretação, além de efeitos especiais e processos de colorização bastante sofisticados, poderão ser conferidos durante a programação.
Tão importante quanto a escolha dos filmes foi a seleção dos músicos que acompanharão as projeções. Com curadoria de Livio Tragtenberg, as atrações musicais estão em sintonia com a diversidade de temas e estilos dos filmes apresentados no evento. André Abujamra, Arrigo Barnabé, Michelle Agnes, Maurício Takara, Jorge Peña, Wilson Sukorski, os grupos Patife Band e Frame Circus, entre outros, estão entre os convidados. Para as chamadas Sessões assinadas, personalidades como o cineasta Carlos Reichenbach, o maestro Julio Medaglia e o ilustrador MZK foram convidados a construir trilhas sonoras com músicas pré-existentes revelando combinações insuspeitas.

Alguns dos filmes que serão exibidos podem ser encontrados on-line, e eu colocarei link para eles depois. Outros Salomé posterpodem ser facilmente encontrados em locadoras, lançados pela Continenta Vídeo, como é o caso do clássico O gabinete do Dr. Caligari, e outras raridades do cinema brasileiro do ciclo do Recife. Porém, boa parte da seleção é composta por filmes que não saíram em vídeo por aqui e alguns nem mesmo nos EUA ou Europa, onde o mercado para esses filmes é dar inveja. Então é melhor aproveitar a ocasião.

Para quem já está animado, uma das preciosidades desta jornada será exibida hoje às 21 horas: Salomé. Estrelado pela diva Alla Nazimova, e dirigido por Charles Bryant, Salomé é baseado na peça homônima de Oscar Wilde e nas ilustrações que Aubrey Beardsley fez para a mesma. Essa será a única sessão com acompanhamento musical, por isso é melhor não perder a abertura hoje. O filme é considerado um dos primeiros filmes de arte realizados nos EUA e foi selecionado em 2006 pela Biblioteca do Congresso americano como “culturalmente significativo”. Pode não parecer muito, mas pouquíssimos filmes são adicionados a esta lista anualmente.

Atualização: como faz muito, e a Jornada já está em sua 3ª edição, acabei removendo as sessões do Google Calendar.

About Bibi