Impressões do 1º dia da 32ª Mostra e mais dicas

Queime depois de ler

O primeiro dia da Mostra comprovou algumas das minhas expectativas: sessões lotadas em filmes com boas críticas, filas e mais filas para a maior parte dos filmes, o catálogo e a programação só saíram no meio da tarde, e alguns filmes que imagina que seriam bons realmente foram

Comecei oficialmente a Mostra mal, com a desagradável surpresa de Las Meninas. Não tinha grandes expectativas em relação do filme ucraniano, mas também não esperava algo tão ruim. O filme é uma mistura do pior da videoarte, com técnicas para deixar o seu espectador irritado, com momentos soporíferos. Eu comecei achando que o diretor estava usando técnicas de estranhamento para fazer o espectador refletir, acompanhado de metáforas, mas é apenas ruim mesmo. E foi uma unanimidade: não encontrei ninguém que tivesse gostado, incluindo vários jornalistas.

Mas meu dia foi salvo com o fantástico Queime depois de ler dos irmãos Coen. Eu já imaginava que o filme seria bom, mas não tão bem elaborado e com tanto humor. Apostar em seus filmes é sempre garantia de sucesso. Fui com receio assistir O casamento de Rachel, motivada pelo fato de poder encaixar a sessão e ser um filme de Jonathan Demme. Entretanto cheguei para ver uma sessão lotada e tive uma grata surpresa com a história e a atuação de Anne Hathaway, mais conhecida pelos papéis de “boa moça”.

E para terminar o dia bem assisti Rocknrolla – A grande roubada, de Guy Ritchie. O diretor conseguiu se redimir dos estragos na imagem causados com alguns filmes depois do ótimo Snatch. Rocknrolla não chega aos pés de seus dois filmes mais conhecidos, mas ainda tem um brilho. Ritchie soube mais uma vez dosar violência, com tramas complexas e bom humor. Aos poucos a história vai sendo esclarecida e o filme mostra-se bem mais atraente.

Parto para o segundo dia cheia de espectativas. Vou aproveitar para explorar as retrospectivas na Cinemateca e terminar o dia com uma bobagem, que também recomendo: Segurando as Pontas (2008), de David Gordon Green. Seguem abaixo as minhas outras dicas para hoje:

A Paixão de Anna (1969), Ingmar Bergman
A Vida Moderna (2008), Raymond Depardon
Confissões de Super-heróis (2007), Matt Ogens
Fanny e Alexander (1982), Ingmar Bergman
Feliz Natal (2008), Selton Mello
Gomorra (2008), Matteo Garrone
Hanami – Cerejeiras em Flor (2008), Doris Dörrie
Horas de Verão (2008), Olivier Assayas
Leonera (2008), Pablo Trapero
Mil Anos de Orações (2007), Wayne Wang
O Casamento de Rachel (2008), Jonathan Demme
O fim da pobreza? (2008), Philippe Diaz
O Guerreiro Vermelho (1969), Kihachi Okamoto
O Poderoso Chefão (1972), Francis Ford Coppola
O Silêncio de Lorna (2008), Jean-Pierre Dardenne, Luc Dardenne
Queime depois de ler (2008), Joel Coen, Ethan Coen
Por favor rebobine (2008), Michel Gondry
Sonata de Tóquio (2008), Kiyoshi Kurosawa
Tony Manero (2008), Pablo Larraín

About Bibi